domingo, dezembro 02, 2007

FINALMENTE O ACORDO ORTOGRÁFICO


É uma boa notícia saber que se começam finalmente a criar condições para que o Acordo Ortográfico venha a ser aplicado. É caso para saudarmos o facto de após tanta demissão e falta de visão estratégica, existirem estadistas capazes de levar para a frente um processo essencial para assegurar que a Língua Portuguesa seja, pelo menos, durante este século uma língua com projecção mundial, falada por milhões de pessoas em vários continentes.
Esta é uma questão que irá ser discutida nos próximos tempos e deixo já clara a minha posição. Este blogue que nunca escondeu o seu compromisso com a Língua Portuguesa e com o Mundo de Língua Portuguesa apoia, por isso mesmo, com determinação a aplicação do Acordo Ortográfico.
A Língua Portuguesa é hoje uma Língua falada por milhões de pessoas em vários continentes, é a língua de Portugal e do Brasil, a língua oficial de Cabo Verde, Guiné-Bissau, S. Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, uma das duas Línguas de Timor-Leste, a par do tétum.
A Língua Portuguesa é também a única língua do mundo ocidental com mais de uma ortografia. Este facto enfraquece a expansão da Língua Portuguesa no Mundo, dificulta a sua difusão através das novas tecnologias de informação e a tradução automática de qualidade de e para outras línguas.
A diversidade dos mundos de que é feito o Mundo da Língua Portuguesa terá na existência de regras ortográficas comuns um factor de enriquecimento na comunicação e no diálogo cultural. Se elas não vierem a ser aplicadas iremos assistir a um processo de fragmentação, que comprometerá dramaticamente o futuro da Língua Portuguesa.
Relativamente aos que de boa fé encaram com algum desconforto este processo quero desde já recordar o seguinte. A ortografia da Língua Portuguesa tem mudado profundamente. Não é necessário recuarmos às canções de amigo medievais, bastará ver como escrevia Fernando Pessoa e como nós escrevemos hoje. Libertámo-nos no século XX de utilizar duplas consoantes, ganharemos alguma eficácia no ensino da Língua Portuguesa no século XXI se nos libertarmos, por exemplo, das consoantes mudas.
O processo de simplificação ortográfica teve início por iniciativa unilateral de Portugal durante a primeira República Portuguesa, só depois o Brasil iniciou o processo de simplificação ortográfica. Estes dois movimentos tornaram necessária a celebração de um Acordo Ortográfico, que tem que abranger hoje todos os Estados de Língua Portuguesa.
Alguns manifestam surpresa por haver normas legais nesta matéria, mas a questão tem uma dupla resposta. Normas legais em matéria de língua existem noutros países como a França, por exemplo. Por outro lado, língua e política estiveram sempre ligadas. Sem as leis do Marquês de Pombal, a língua de Camões não se teria tornado uma língua de cultura com prejuízo do latim em Portugal. No Brasil foram também as leis do Marquês que impuseram a Língua Portuguesa como única língua, permitindo manter a unidade do Brasil. Não é por acaso que o Uruguai e o Paraguai para se autonomizarem do Brasil adoptaram o castelhano. Talvez por isso mesmo Getúlio Vargas combateu a utilização do italiano e do alemão no intuito de assegurar a unidade do Brasil.
Pretender fazer passar o Acordo Ortográfico como uma imposição imperial brasileira a Portugal, como faz Vasco Graça Moura, quando o acordo foi negociado por gramáticos e linguistas portugueses da maior qualidade e empenho no futuro da Língua Portuguesa, seria do domínio do ridículo, se não fosse mais uma manifestação da incapacidade de uma parte da inteligência portuguesa, em definir uma agenda que permita a Portugal ter um lugar no Mundo correspondente à sua história e não apenas à sua demografia.
Quero por isso felicitar o editorial do «Expresso», de 1 de Dezembro, intitulado precisamente, «Viva o Acordo Ortográfico». É bom que um grande meio de comunicação de massas assuma desta forma as suas responsabilidades no que se refere ao futuro da Língua Portuguesa.
Esperamos que a Assembleia da República e o Governo saibam também assumir as suas responsabilidades.

5 comentários:

Blogger Blogger disse...

Considero os blogs portugueses os mais criativos no mundo, alguns inclusive na estética. Os nomes são fantásticos, é realmente outra língua (a nossa, aqui falada, está muito pobre mesmo.)

Sou suspeita pois gosto muito de Portugal e ouço a RTP todo dia via internet.

Como não tenho seu e-mail resolvi deixar esta mensagem aqui mesmo.

Abraços da

Claudia Gaspar
itaim-bibi.blogspot.com
novaurbis.blogspot.com
itaimcity@gmail.com

Blogger Blogger disse...

Não sabia que o Brasil tinha virado imperial...

Claudia

José Leitão disse...

Cara Cláudia Gaspar,
Agradeço as suas palavras.Não escrevo apenas para os portugueses, mas para os falantes da Língua Portuguesa em todo o Mundo.Como dizia a letra de um samba de um anterior Carnavel do Rio:«O Sol nunca se põe no Mundo de Língua Portuguesa».
A referência ao imperial não tem relevância.É para consumo caseiro.
Passarei a consultar os seus blogues e retribuirei, em breve, o link.Com estima
José Leitão

Zap disse...

"...No Brasil foram também as leis do Marquês que impuseram a Língua Portuguesa como única língua, permitindo manter a unidade do Brasil..."

Você é um mentiroso, o Brasil já tinha uma língua de unidade baseada no tupi-guarani falada de norte a sul do país. O escroque do Marques de Pombal,que não passava de um sujeito safado e ordinário, só forçou o português aos brasileiros porque percebeu que a independência língüística do Brasil era só o primeiro passso para a independência politica. Porém, mesmo forçando essa língua nojenta de Portugal ao Brasil, a língua brasileira sempre se manteve independente e assim sempre será até finalmente sermos livres pra sempre dessa gente imunda portuguesa e seus adoradores da elite brasileira ignorante.

A MINHA LÍNGUA É, SEMPRE FOI E SEMPRE SERÁ BRASILEIRA. MINHA FONIA É BRASILEIRA E NUNCA SERÁ LUSO-PORCARIA-NENHUMA!

José Leitão disse...

Em Portugal também há quem não veja para lá do seu quintal.Está em boa companhia.
Por mim prefiro o artigo 13.º da Constituição da República Federativa do Brasil que determina:« A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil».